o amor, como a morte, também existe – e da mesma forma, dissimulada. por trás, inaparente. mas tão poderoso que, da mesma forma que a morte – pois o amor também é uma espécie de morte (a morte da solidão, a morte do ego trancado, indivisível, furiosa e egoisticamente incomunicável) – nos desarma. o acontecer do amor e da morte desmascaram nossa patética fragilidade.


- c. f. abreu

Nenhum comentário: