perdi a leveza. faz ano e meio. desceu pelo ralo do apartamento dele. eu acho. não voltei para buscar. nunca mais. nos perdemos também. era previsto. os sentidos me apontam os fins. mas eu insisto. insisto e não me curo. eu quero a eternidade das coisas. mas finita-eu-sou. mesmo me contrariando, eu sei. oscilo entre um tom e outro. faço uma expressão mais séria. engano a felicidade que habita do outro lado. ando contrária, eu disse. estranha e intransigente. eu sei, tem peso essa mistura. mas é insossa. vá, não me fale em ternura. essa eu conheço íntima. também não me fale em cansaço. não me fale da sua fadiga emocional. respira fundo e me responde agora, sem gaguejar: onde mora a delicadeza?

Nenhum comentário: