era a terrível aflição da alegria. cogitei um gole. me impregnei no cheiro das coisas dele. o envelope cheira a incenso. deuspai, eu cheiro fundo. trago. penso e sinto tão lúcida. o horror de não desejar me atormenta fácil. não desejar é a forma mais desesperada do desejo. eu sei. deuspai, eu desejo tanto e me engano plena de certezas indizíveis. ele pensa em mim. me traga. um gole. a alegria dos sinais dele me invade sem licença. nada sutil. nunca sutil. me canso. desde a vez em que fomos voz nos perdemos. e fingimos. com a discrição dissimulada dos que erram cheios de intenções.

Nenhum comentário: