19' dez. 2008: eu falo da linguagem da ausência, do corpo invisível que eu não toco, das minhas mãos que não sabem outras formas e de quando me cubro do toque desconhecido e durmo meu sono cheio de insônias.

Nenhum comentário: