21' nov. 2008: desapareço diante da minha memória. não me comprometo com o para sempre das coisas. sou cheia de finitudes. temo por minha razão com uma coerência que me atormenta.

Nenhum comentário: